Linguado com Creme de Cebola e Mostarda

Estamos no verão e nesses dias quentes, vamos combinar, nada melhor do que uma comida leve e saborosa.



Para quem gosta de peixe, esse prato é uma boa pedida. Uma receita rápida, fácil e que qualquer um é capaz de fazer.

Então, vamos aos ingredientes! Você vai precisar de:

- 1 kg de filé de linguado (você pode usar o peixe da sua preferência);
- 1 envelope de creme de cebola;
- 1 creme de leite (aquele da caixinha);
- 1 colher de sopa de mostarda (usei dijon, mas você pode usar a que tiver em casa);
- Pimenta do reino;
- 1 limão;
- Azeite.

Lave bem os filés de peixe com o suco do limão, escorrendo em seguida. Passe o creme de cebola sobre os filés de peixe (em ambos os lados) e os acomode numa travessa untada com um pouco de azeite. Passe a mostarda sobre os filés de peixe e em seguida cubra-os com o creme de leite. Salpique um pouco de pimenta do reino por cima e leve ao forno pré-aquecido até que fique dourado. Sirva com arroz de salsinha ou branco e bom apetite!

Em tempo, queria dar uma dica para quem tem Air Fryer, assim como eu! Um livro de receitas sensacionais, de dar água na boca... Coisas que você nunca pensou que poderia fazer na sua Air Fryer! Quem tiver interesse >>> Receitas para Air Fryer <<<


Letras na decor



Há tempos que o alfabeto fugiu do papel e veio decorar nossas casas. 

Imagens via Pinterest

E ó, tem para todos os gostos: feita de botões, rolhas, giz de cera ou mesmo grama.


Tem até letra brilhante, estilo espelho de camarim (com passo-a-passo, em inglês, aqui).


Agora, se bater uma preguicinha de fazer sua própria letra e você quiser comprar uma pronta, a Tok&Stok vende o conjunto, formando palavras (como essas aí de cima, dentre outras).

O que não pode é deixar de ter a sua, seja do jeito que for. Até Seu Zé, um morador de rua estiloso que montou acampamento perto do meu curso, exibe todo orgulhoso seu "A", em mdf, que fica pendurado na entrada da sua cabana (ainda não consegui foto, mas juro que é verdade). XD

Meu jardim suspenso

Lembram do projeto dos vasos genéricos da Boskke que mostrei aqui? Bóra ver os que eu fiz? 


Fiz o passo-a-passo convencional, mas, ao invés de revestir com tecido, usei trocentos círculos de cartolina dupla face para dar esse efeito escama. Depois, usei verniz spray para impermeabilizar.

Dica da hora: escolha MUITO bem a planta de acordo com o local onde ela vai ficar. Se a pobre coitada não se adaptar e acabar morrendo, vai dar um trabalhão pra retirá-la e plantar outra.

Gostaram? Então, faz um elogio pra mim, faz? :D

Atualizando: uma pergunta do leitor Miguel Tamanko, no post Jardim de ponta-cabeça, me fez lembrar de um outro detalhe, a água. Quando você molha a planta, a água escorre e cai no chão (sem terra, pelo menos os meus aqui). Aqui em casa , como eu só faço a rega uma vez por semana, deixo a água escorrer dentro do box do banheiro ou, ainda, coloco uma tigela embaixo, no chão.... hahahaha. Não me dá muito trabalho. Mas, se eu tivesse que molhar todos os dias (ou tivesse muitos vasos desse em casa) eu teria escolhido colocar eles no exterior mesmo, como uma varanda.

Piso vinílico

Há três semanas fiz uma pesquisa sobre piso vinílico para apresentar um trabalho em sala. Como ficou interessante (a professora gostou, tá ;^P), achei bacana compartilhar com vocês. Vem comigo.

Aplicação

    Diversas cores para o escritório, a casa ou a academia.
  • São pisos indicados para qualquer tipo de ambiente, seja hospitalar, residencial, comercial, etc. Somente recomendados para áreas internas.
  • São encontrados em 3 formatos: régua, placa e manta. Suas diferentes padronagens imitam a textura de inúmeros materiais, tais como madeira, pedra, metal, etc.
  • A variedade em placa é muito utilizada na forma de piso elevado, normalmente usado por escritórios, que aumenta o piso em alguns centímetros, criando um espaço para a instalação de cabos de dados, cabos elétricos, ar condicionado ou, ainda, tubulações de água gelada para refrigeração.
  • Por ser antialérgico e antiderrapante, é recomendado também para ambientes onde residem idosos e crianças.
  • É resistente, térmico, antichamas, não retém poeira (sua superfície não é porosa); é confortável para caminhar, absorve os ruídos das passadas e, ainda, devido a sua composição, é totalmente imune a ataque de cupins.

Durabilidade

  • A vida útil depende de fatores tais como: qualidade da aplicação; qualidade do contrapiso e manutenção adequada.
  • O piso vinílico é resistente ao atrito e não arranha. Ainda assim, existem linhas indicadas para áreas residenciais, comerciais e industriais, conforme o tráfego de pessoas no ambiente. As fábricas costumam dar entre 5 a 25 anos de garantia.
  • O piso vinílico Eucafloor Evolution, por exemplo, quando instalado em ambientes residenciais, tem garantia de 25 anos contra defeitos de fabricação e, no caso de uso em ambientes industriais e comerciais, a garantia é de 5 anos.

Manutenção/Instalação
 
  • Dispensa argamassa, pois são instalados com cola ou, dependendo da variedade, apenas encaixados. Isso torna a instalação prática, limpa e fácil.
  • Pode ser aplicado diretamente sobre quase todos os tipos de piso, desde cerâmicos, granilites, concreto, mármore, epóxi e até mesmo sobre o contrapiso ou outro piso vinílico. Entretanto, a área precisa estar bem nivelada, ou seja, não deve possuir ondas ou depressões.
  • Não deve ser instalado sobre piso de cimento queimado, piso de madeira (taco, tábua, etc) e sobre pisos com rejunte maior do que 3mm.
  • Dependendo do modelo, deve-se evitar o uso em cozinhas, banheiros e lugares excessivamente úmidos, o que pode comprometer o desempenho da cola.
  • Por ser um piso feito de PVC, não mancha e não absorve líquidos. A limpeza deve ser feita usando vassoura de cerdas macias, pano úmido e detergente neutro.
  • Deve-se evitar o uso de materiais abrasivos, ceras (pois formam um filme gorduroso que dificulta a limpeza), solventes e derivados de petróleo.

     Imitação praticamente real de madeira. Piso específico para quadras, hospitais e ambientes infantis.

Custo

  • O piso vinílico proporciona uma decoração diferenciada e econômica, principalmente se comparado a outros modelos de pisos, como alguns revestimentos cerâmicos e os pisos de madeira (taco, madeira de demolição, etc).
  • žO valor do m² varia muito de uma loja para outra e de cidade para cidade, sendo cotado entre R$ 50,00 a R$ 200,00.
  • Na Studio Conceitual, que fica em Vitória/ES, o valor do m² custa R$ 139,00, incluindo a instalação. Esse valor é fixo e existe uma variedade de opções de cores e texturas.
  • Na Nobrepiso, também em Vitória, os valores vão de R$ 66,00 (a variedade com cola) a R$ 171,00 (que são os de encaixe, ou “clicados”). A instalação custa R$ 19,00 o m².
 
Fonte: casa-e-jardim; comprandomeuape; eucatex.
Imagens: amsdarquitetura.

Gato ecológico

Esse post vai para todos que têm gatos e que, assim como eu, se sentem agredidos com aqueles arranhadores de oncinha, zebrinha, joaninha, vaquinha, entre outros mais horrorosos, que os petshops insistem em vender. Como é que nós, pobres papais e mamães de gatos que gostam de decoração, vamos colocar uma daquelas "coisas" bem no meio de nossas casas? Então, se você não quer ficar escondendo o arranhador do bichano toda vez que recebe uma visita, aqui vai uma sugestão mais discreta e ecológica:


Moleza, né? Pois é, mas, antes de qualquer coisa, você precisa arranjar uma bobina pequena em uma loja de material elétrico. Eles costumam jogar as bobinas fora e, por isso, não vai ser difícil sair de lá com uma delas.

Quanto ao projeto, prestenção porque é muito difícil:

O sisal (eu usei 22 metros a R$1,00 o metro) é fixado com cola de sapateiro. O enchimento é feito com espuma e por cima vai um tapete redondo (eu usei um de banheiro da Tok&Stok, que custa R$34,90, disponível em várias cores) que você prende usando um grampeador de tapeceiro. =^.^=

Pronto, agora você pode ter um arranhador cheio de estilo e feito por você! E o melhor de tudo é que quando o sisal ficar bem desfiado, o que demora bastante, basta trocá-lo para ter um arranhador novinho. Essa já é a segunda versão do meu. As crionças adoram.


Coleção do Rosenbaum para a Brasil Imperial

Sabe a Festa de São João? Virou ladrilho! 

A coleção São João 2012, desenvolvida pela Rosenbaum® para a Brasil Imperial, uma das maiores empresas do ramo, funde a técnica artesanal do ladrilho hidráulico com o colorido da nossa tradicional festa caipira. O resultado é uma coleção de ladrilhos coloridos e de desenhos geométricos, inspirados nas bandeirolas caipiras e na estética dessa grande manifestação popular, que, como ele mesmo diz, "resgata a cultura popular, a tradição, a arte, as cores e a beleza do nosso país". 

Vamos ver a coleção? Vai descendo comigo.


Essa primeira linha, da sequência acima, se chama BANDEIRA. A inspiração é obvia, né? ;^P


XADREZ. A camisa é xadrez, a bebida é quentão. Essa linha também ganhou meu coração.


Festa junina sem chapéu de palha não existe, né? Surge, então, os trançados da linha PALHA.


Linha BALÃO. Na vida real ele é perigoso e proibido, mas aqui tudo pode.


E, por fim, o CATÁLOGO. E ó, existe uma porção de variações dentro dessas 4 linhas que mostrei.  

Ah! E essa já é a segunda coleção de ladrilhos hidráulicos que o arquiteto mais querido do Brasil desenvolve para a Brasil Imperial. Quer ver a primeira coleção? É só clicar aqui, uai. :) 

A arte do Rosindo

Atributos para jovens rebeldes I
Acrílico industrial s/ ploter em canvas - 120 x 90 cm - 2001
Quem não gostaria de ter um quadro como esse em casa? Essa é uma das obras do artísta plástico Rosindo Torres, um capixaba formado pela Universidade Federal do Espírito Santo e Mestre em Teatro, Cultura e Educação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Profissional atuante desde 1994, participou de exposições nacionais e internacionais com premiações em Salões de arte locais e nacionais. É um artista que, sem a menor dúvida, foge do convencional, demonstrando toda a sua técnica, ousadia e criatividade na execução das suas obras. Participou, ainda, de curadorias na Galeria da Faculdade de artes visuais de Goiânia e do Museu de Curitiba juntamente com nomes do panorama da arte nacional como Nelson Leirner, José Rufino, Yuri Sarmento, Hilal Sami Hilal, Beatriz Milhazes e outros. Trabalhos utilizados como base de pesquisa pela pós-graduação da Universidade de Brasília juntamente com os trabalhos da artista carioca Adriana Varejão.

Quem comentou o crime do milagre?
Técnica mista sobre imagem plotada em canvas
Benedito Calixto - 110 cm 160 x 5 cm - 1997

Seus trabalhos possuem vínculos com um pretexto pessoal e social. Utiliza a iconografia como fruto de uma convivência intensa e conturbada que o instiga a produzir. Rosindo é um observador de seus próprios pesares, dúvidas e prazeres envoltos de referências pessoais, deliberadamente explícitas, cruelmente sinceros, reconstruindo sua narrativa, de um discurso poético que “beira a ilustração para olhares desatentos."

Além de um brilhante artístita plástico, Rosindo também atua como professor de
inúmeras disciplinas ligadas aos cursos de design de interiores, arquitetura, moda e artes plásticas, além de ministrar aulas particulares de pintura e desenho, em seu próprio ateliê.

E então, quer conhecer mais obras e, quem sabe, fazer umas aulas de pintura? Ele tem perfil lá no Facebook, aproveita.

Texto extraído e adaptado dos sites faluasdotejogaleriaanaterra, seculodiario e cccv

Jardim de ponta-cabeça


O projeto abaixo é uma adaptação feita por mim do original, publicado aqui. Nele constava uma variação feita com garrafa pet. Eu tentei, mas não consegui, achei complicado. Mas, para quem quiser se aventurar, eu só posso desejar boa sorte (e que me envie fotos, caso tenha sucesso..hehe).


Essa é a versão bacana e genérica dos vasos da Boskke. E então, bóra aprender a fazer? Depois você pode pendurar na sala ou, quem sabe, na varanda e, assim, deixar as visitas ou os vizinhos bem surpresos com a sua criatividade.

Materiais:

1. Lata com tampa de plástico; 
2. Arame, alicate de corte e alicate de bico fino.
3. Retalhos de tecidos ou o que mais quiser usar para forrar o vaso/lata;
4. Tesoura e estilete;
5. Abridor de lata;
6. Plantas (o projeto original diz que ervas e algumas flores funcionam bem);
7. Fita adesiva;
8. Cola spray (opcional);
9. Furadeira (ou prego e martelo);
10. Terra para plantar;
11. Filtro de café;

Instruções:

1. Lave bem a lata, retire a etiqueta e deixe secar;
2. Use um abridor para retirar completamente o fundo da lata; 


3. Pegue a parte retirada do fundo da lata e faça vários furos utilizando uma furadeira ou, se você não tiver, use um prego e um martelo. Faça, ainda, dois furos nas laterais da lata, um de cada lado. É neles que você vai fixar a alça que vai segurar o vaso (que você pode ver na primeira foto). Ah, e não se esqueça de amassar, por segurança, todas aquelas arestas que ficam expostas nos furos que foram feitos;
4. Coloque sua mão dentro da lata (espero que você não tenha esquecido de amassar as arestas ;^P) e, usando muita fita adesiva, prenda o fundo a mais ou menos 1 cm abaixo de onde ele originalmente estava. Quando você terminar, terá uma lata com o fundo recuado, como na imagem; 
5. Agora é hora de colocar sua plantinha no vaso/lata. Comece com um pouco de terra, depois coloque a planta e, por fim, mais um pouco de terra até antigir o topo da lata. Aperte bem, de modo que a terra fique compactada;

6. Coloque o filtro de café sobre o fundo da lata e corte um círculo com o mesmo diâmetro. Dobre o círculo no meio e corte um pequeno furo, também no meio, que deve ter o diâmetro aproximado do caule principal da planta. Depois, corte uma fenda que vai da borda do círculo até o furo do centro;
7. Passe esse círculo em torno do caule da planta e deixe-o sobre a terra. Isso faz parte do sistema que vai evitar que a terra caia do vaso quando ele estiver de cabeça para baixo;
8. Agora, usando o estilete, corte um círculo com 2 cm de diâmetro no centro da tampa de plástico;
9. Feito isso, e com MUITO cuidado, deslize a folhagem através do furo na tampa. Se não for possível ou achar difícil, corte uma fenda que vai da borda do círculo até o furo do centro (essa dica é minha) e encaixe a tampa na lata, passando fita adesiva ao redor da borda da tampa, de forma que fique bem vedada. Se você fez a fenda para facilitar o encaixe, passe fita nessa área também;
10. Hora de forrar a lata com tecido ou com o que você quiser usar. Seja criativo! Lembre-se de forrar também a parte da tampa, para que nenhuma fita adesiva apareça;
11. Para finalizar, lembra daqueles dois furinhos em lados opostos que você fez lá no início? Então, procure por eles e, usando uma prego/alfinete, faça um "pique" para reabri-los. Feito isso, use arame e os alicates para fazer uma alça para pendurar o vaso. Basta cortar um pedaço de arame, fazer um ganchinho em cada extremidade, encaixar as alças nos dois furos e voilá, seu vaso está pronto.


Agora é só pendurar e ficar olhando intrigado, imaginando como aquela planta não cai. ;^P

Ah! Eu fiz os meus, claro. Em breve mostro pra vocês. :)


Principais Estilos da Decoração - Barroco

Começo hoje uma séria de postagens sobre os principais estilos da decoração, começando pelo Barroco. Porque, na minha opinião, não só de frufrus, mimimis e passo-a-passos vive um blog de decoração. É nossa missão informar também. Espero que todos gostem. :)

1. Barroco

Imagem 1. Luís XIV
Nasceu em Portugal, atingindo o auge em 1620, e seu ar pomposo, cheio de curvas, conquistou a Europa, principalmente os Países Baixos. Uma versão menos exuberante, mais classicista, originou o Estilo Luís XIV. O espírito do Barroco é o exagero que reflete o absolutismo dos reis europeus e a preocupação da Igreja em retomar o catolicismo, enfraquecido pela Reforma. A arquitetura dos castelos e palacetes da nobreza, carregados de ornamento e pintura, assim como as igrejas, refletem a dramaticidade da ópera (união de todas as artes). Na França, foi denominado "Luís XIII" e "Luís XIV"; na Inglaterra, "Jacobino"; na Alemanha, "Barroco Alemão"; nos Países Baixos, "Estilo Flamengo". O Estilo Barroco é caracterizado pelas "acrobacias da arquitetura": linhas curvas, linhas rompidas, madeira torneada, etc. O ébano é a matéria-prima mais usada, revestida de marchetaria.

No meio do século XVII, os ricos eram muito ricos e os pobres não tinham outra escolha senão servir. É a expressão de uma sociedade profundamente monárquica, em que reina a vaidade, o gosto pela grandeza exagerada, isto é, a exaltação da soberania e sua côrte. Se olharmos para o mobiliário daquela época, poderemos facilmente imaginar o luxo e o esplendor das côrtes, principalmente da francesa.

A exagerada ornamentação dos móveis, o brilho e o virtuosismo inusitados transformam-se num elemento de decoração, perdendo, então, o caráter essencialmente utilitário, sendo a madeira esculpida e dourada. Colunas torcidas, distorcidas e frontões partidos com enormes molduras conseguiam efeito teatrais na arquitetura e na mobília.

Imagem 2. Poltrona Luís XIV.
As cadeiras eram elaboradas em volutas, mesas com ricas esculturas e camas em estruturas colossais com colunatas retorcidas e dosséis. Há utilização de materiais como chifres de marfim, osso, casco de tartaruga e crustáceos; metais, como estanho, e dourados, como brinze e cobre. Os motivos ornamentais são ricamente trabalhados e executados com rigor simétrico, sendo os principais motivos as conchas e folhagens, seguidos por dois "L" entrelaçados, o sol e, em seu meio, uma cabeça de mulher. 

O século XVII faz nascer um estilo que se exprime diferentemente em cada país, segundo o temperamento nacional dos artistas. Austero na Inglaterra, ele é galante na Itália e nos Países Baixos. Na França, foi denominado Luís XIII, Luís XIV e Regência. No entanto, salienta-se que o Estilo Regência pode muito bem ser definido sob o ângulo Barroco ou sob o ângulo Rococó: época de transição e de pouca duração, quando a decoração sofre sérias modificações. Na Inglaterra, o Barroco foi denominado Jacobino (1603-1660), Restauração (1660-1688) e, na época dos Stuart no trono, Queen Ann (1688-1714). Na Alemanha, foi denominado apenas de "O Barroco Alemão". Em Flandres e nos países Baixos, ele foi designado sob os termos "Estilo Flamengo", "Rubens" e "Estilo Holandês".

Na Itália o Barroco, devido a vantagem de possuir arabescos, vingou nas regiões onde o temperamento dos artistas era tendencioso para a decoração: Veneza, por exemplo.

Características

O Estilo Barroco não é totalmente caracterizado por um excesso de ornatos (que é realmente próprio do Rococó) e sim por aquilo que poderíamos chamar de "acrobacias de arquitetura": linhas curvas, linhas rompidas, etc. Estas "acrobacias", embora pareca paradoxal, deram-nos obras de bastante equilíbrio. Um exemplo: o estilo Luís XIII é Barroco no uso que faz da madeira torneada, dos motivos lavrados, de certos ornato que não são realmente incorporados ao mobiliário (vasos, cabeças de leões, etc).

O Estilo do Mobiliário

Os dois móveis dessa moda são a secretária e a cômoda. A cômoda sempre foi mo móvel familiar, por excelência. Ela tomou o lugar do baú, da arca, do cofre. Nessa época, os quartos começam a tomar um destino preciso: quarto de dormir, gabinete de leitura, etc.

A Madeira

Imagem 3. Armário Boulle, com marqueterie e ébano.
Aparece o ébano como a matéria-prima usada, revestida de incrustações ou de marqueterie. Daí nasceu o termo francês ébeniste, usado na época para designar aqueles que trabalhavam o ébano. Usou-se o ébano nos Estilos Luís XIII e Luís XIV.

Ornatos Típicos

  • A cabeça de leão, tendo em seu pescoço um anel (ornato é de origem holandesa).
  • As folhas de oliva alongadas e estilizadas.
  • Os lavrados estilizados.
  • As espagnolettes (bustos de moças sorridentes, ornamentando os pés dos móveis) - Estilo Regência.
  • Os dragões (tipicamente Regência).
  • Motivos florais e entalhes em madeira clara (marqueterie) - nos Países Baixos e na Inglaterra.

Fonte: Apostila de História do Design e do Mobiliário

Imagens: anossaescoladesignspongemuseu.gulbenkian.

Escada para gatos

"Existe uma crença de que os gatos necessitam de liberdade para viver bem, sendo comum escutar de familiares, vizinhos e conhecidos que eles precisam sair para passear. Mas, infelizmente, também é muito comum escutar dessas mesmas pessoas histórias de gatos que saíram para dar sua voltinha habitual e nunca mais voltaram. Quantas vezes todos nós já escutamos essa frase: “meu gato sumiu” ou ainda “gatos são animais ingratos, nós cuidamos tão bem deles e depois eles simplesmente vão embora”. A verdade é que esses gatos não sumiram nem evaporaram misteriosamente, muito pelo contrário. Eles provavelmente morreram de uma maneira trágica. Por mais diversão que os gatos possam ter nas ruas, a verdade é que lugar de gato é dentro de casa."

"A expectativa de vida de um gato que tem acesso à rua é de apenas cinco anos, enquanto gatos que moram dentro de casa chegam a viver mais de vinte anos."

Fonte: cdgatos.

E, para você que, assim como eu, pratica a Posse Responsável com suas crionças (criança + onça) e sabe que gatos que vivem dentro de casa vivem mais e melhor, apresento uma ideia genial que vai dar um tcham na sua casa e, mais do que isso, agregar diversão ao dia-a-dia do seu bichano querido. Ó só:


Porque não, gatos não somem. E não, atropelamento e envenenamento não são coisas inevitáveis, muito menos podem ser considerados como causas naturais da morte de gatos! Por isso, um viva bem grande para todos aqueles que mantêm seus gatos dentro de casa, seguros, quentinhos e felizes.

E, para quem se interessou pelo projeto, basta se jogar no marceneiro.   

Foto montagem: Criação Criativos.


Mesa com vidro pintado


Projetinho supimpa que vi no Design SpongeBora aprender como se faz? 

Materiais

Tampo de vidro ou pexiglas¹ do tamanho da sua mesinha;
Tinta spray para vidro²;
Fita crepe, papel contact ou estêncil (dependendo do padrão que você quer criar); 
Thinner;
Borrachinhas de silicone (como essas aqui).

¹ O uso desse material é sugestão do projeto original. Fiz uma pesquisa e, de acordo com o site comofazertudo, "plexiglas ou plástico acrílico (Plexiglas é uma das marcas usadas) é um plástico que parece limpo como vidro, mas é mais durável e vem em uma variedade de tamanhos e espessuras". Quem quiser usar esse material pode ficar à vontade, mas eu não sei onde vende. :(

² A Colorgin tem um spray feito para ser aplicado em vidro, o Colorgin Linha Artística Vidro. Se não souber onde comprar, basta acessar o site da Colorgin, clicar em "onde comprar" e voilá. ;^P 

Como fazer 

1. O primeiro passo é resolver o assunto tampo. Se você vai encomendar um ao vidraceiro ou se vai travar uma cruzada atrás do plexiglas, é você quem decide. Eu recomendo a primeira opção.  


2. Agora é a hora de decidir que padrão de imagens você quer na sua futura mesinha bacanuda. Kara, a designer do projeto original, escolheu triângulos. Ela recortou muitos (muitos mesmo, tá?) triângulos no papel contact e colou sobre todo o tampo, como mostra a foto abaixo. 


3. Depois disso, remova alguns triângulos para aplicar a primeira camada de tinta. A dica é: use fita crepe nas áreas onde o triângulos não se alinham perfeitamente e, ainda, use um protetor feito com papelão (foto abaixo) para evitar que o excesso de tinta vá parar onde ele não foi chamado. ;^P


4. Espere que a primeira camada de tinta seque e aplique mais uma camada, caso ache necessário. Depois de tudo bem seco, tire uma nova rodada de triângulos de contact e começe a pulverizar a segunda cor. Na parte de trás do tampo, em alguns pontos, a tinta vai se sobrepor a tinta que foi aplicada anteriormente, mas não se preocupe: na parte da frente os triângulos ficam perfeitos.


5. Repita o passo acima para colocar mais cores, caso queira. A Kara deixou alguns triângulos sem pintar, para que o branco da mesa aparecesse. Por fim, lembre-se de esperar a tinta secar muito bem antes de colocar o tampo na mesa. E, importantíssimo, use as bolinhas de silicone para criar um espaço entre o tampo e a mesa. Isso vai evitar que a pintura estrague, além de segurar o tampo no lugar e, assim, evitar acidentes. Quando terminar, se tiver feito tudo direitinho, sua mesa estará assim, ó:


Linda, né? E como a pintura está para baixo, é mamão com açúcar para limpar.

P.S.: gente, notaram que eu sumi, né? Mas ó, como tudo que eu faço tem uma boa explicação e sempre (ou quase sempre) um bom motivo, vocês vão entender. É que eu comecei a cursar Design de Interiores e ainda estou me adequando a nova rotina (novos horários, novos afazeres, essas coisas). Agora, mais do que nunca, vou poder dar dicas para todos e falar com mais propriedade., além de amadurecer a minha paixão, o blog, enfim. E, no processo, todo mundo sai ganhando, inclusive vocês, meus amigos/leitores/queridos. :^D  


Keep Calm and baixe o presente da mamãe


Presentinho supimpa para a mamãe que tem filhos que deixam tudo para última hora. 

A criação é do Estúdio Cereja e, para baixar, basta clicar aqui.

P.S.: Lá tem outros mimos criados especialmente para as mamães. Vai lá, vai! :)

A casa do Rosenbaum

Dessa vez o Selby invadiu a casa do Marcelo Rosenbaum. Prestenção que o negócio é quente.















É tanta coisa linda, tantos detalhes para ver em cada foto. Haja coração, né? ;^P 

Mais fotos aqui.

O motivo do sumiço

Voltando para casa, encontrei essas delicinhas no meio fio, aos berros, perto de uma mata. Quando parei o carro, eles se assustaram e correram, adivinhem para onde? Eu tive que dar uma de Indiana Jones e me embrenhar no matagal, ignorando o fato de que a mata era fechada, que já era tarde da noite, que eu estava de chinelos, que podia ser assaltado/sequestrado ou, ainda, picado por uma cobra/escorpião/aranha. Enfim, três horas de muita luta e eu sai de lá com três lindos babys. O menor, um dos pretinhos, eu só consegui pegar dois dias depois com a ajuda de uma gatoeira, emprestada por uma amiga (e, nesse meio tempo, esse que vos escreve não dormiu, quase não comeu e só conseguia pensar naquele pingo de gente perdido no escuro, com fome, frio e medo).

E foi assim que Manuel Carlos (foto da esquerda abaixo), Jorginho (direita acima), Cisco (esquerda acima) e Zé Pequeno (direita abaixo) vieram morar aqui em casa, junto com Lúcio e Fidel, enquanto não arrumam uma família amorosa, daquelas de comercial de margarina. Nem preciso dizer que dar conta de seis gatos correndo pela casa e esbarrando em tudo, e também ter que trabalhar e cumprir compromissos sociais, me deixou sem tempo para nada. Para piorar, os bebês estavam com dor de barriga..... e eu tinha que ficar de olho em todos porque eles ainda não sabiam diferenciar um tapete de uma caixinha de areia. Mas, mesmo exausto, fiquei mega satisfeito ao ver que todos estão salvos e felizes. Para me ajudar, uma amiga está tomando conta de dois até que eles sejam adotados. 

Ah, e há três dias uma surpresa: descobri que Jorginho é Maria Rita e Manoel Carlos é Glorinha. XD

Falta mais do que justificada, segue a vida...