Principais Estilos da Decoração - Barroco

Começo hoje uma séria de postagens sobre os principais estilos da decoração, começando pelo Barroco. Porque, na minha opinião, não só de frufrus, mimimis e passo-a-passos vive um blog de decoração. É nossa missão informar também. Espero que todos gostem. :)

1. Barroco

Imagem 1. Luís XIV
Nasceu em Portugal, atingindo o auge em 1620, e seu ar pomposo, cheio de curvas, conquistou a Europa, principalmente os Países Baixos. Uma versão menos exuberante, mais classicista, originou o Estilo Luís XIV. O espírito do Barroco é o exagero que reflete o absolutismo dos reis europeus e a preocupação da Igreja em retomar o catolicismo, enfraquecido pela Reforma. A arquitetura dos castelos e palacetes da nobreza, carregados de ornamento e pintura, assim como as igrejas, refletem a dramaticidade da ópera (união de todas as artes). Na França, foi denominado "Luís XIII" e "Luís XIV"; na Inglaterra, "Jacobino"; na Alemanha, "Barroco Alemão"; nos Países Baixos, "Estilo Flamengo". O Estilo Barroco é caracterizado pelas "acrobacias da arquitetura": linhas curvas, linhas rompidas, madeira torneada, etc. O ébano é a matéria-prima mais usada, revestida de marchetaria.

No meio do século XVII, os ricos eram muito ricos e os pobres não tinham outra escolha senão servir. É a expressão de uma sociedade profundamente monárquica, em que reina a vaidade, o gosto pela grandeza exagerada, isto é, a exaltação da soberania e sua côrte. Se olharmos para o mobiliário daquela época, poderemos facilmente imaginar o luxo e o esplendor das côrtes, principalmente da francesa.

A exagerada ornamentação dos móveis, o brilho e o virtuosismo inusitados transformam-se num elemento de decoração, perdendo, então, o caráter essencialmente utilitário, sendo a madeira esculpida e dourada. Colunas torcidas, distorcidas e frontões partidos com enormes molduras conseguiam efeito teatrais na arquitetura e na mobília.

Imagem 2. Poltrona Luís XIV.
As cadeiras eram elaboradas em volutas, mesas com ricas esculturas e camas em estruturas colossais com colunatas retorcidas e dosséis. Há utilização de materiais como chifres de marfim, osso, casco de tartaruga e crustáceos; metais, como estanho, e dourados, como brinze e cobre. Os motivos ornamentais são ricamente trabalhados e executados com rigor simétrico, sendo os principais motivos as conchas e folhagens, seguidos por dois "L" entrelaçados, o sol e, em seu meio, uma cabeça de mulher. 

O século XVII faz nascer um estilo que se exprime diferentemente em cada país, segundo o temperamento nacional dos artistas. Austero na Inglaterra, ele é galante na Itália e nos Países Baixos. Na França, foi denominado Luís XIII, Luís XIV e Regência. No entanto, salienta-se que o Estilo Regência pode muito bem ser definido sob o ângulo Barroco ou sob o ângulo Rococó: época de transição e de pouca duração, quando a decoração sofre sérias modificações. Na Inglaterra, o Barroco foi denominado Jacobino (1603-1660), Restauração (1660-1688) e, na época dos Stuart no trono, Queen Ann (1688-1714). Na Alemanha, foi denominado apenas de "O Barroco Alemão". Em Flandres e nos países Baixos, ele foi designado sob os termos "Estilo Flamengo", "Rubens" e "Estilo Holandês".

Na Itália o Barroco, devido a vantagem de possuir arabescos, vingou nas regiões onde o temperamento dos artistas era tendencioso para a decoração: Veneza, por exemplo.

Características

O Estilo Barroco não é totalmente caracterizado por um excesso de ornatos (que é realmente próprio do Rococó) e sim por aquilo que poderíamos chamar de "acrobacias de arquitetura": linhas curvas, linhas rompidas, etc. Estas "acrobacias", embora pareca paradoxal, deram-nos obras de bastante equilíbrio. Um exemplo: o estilo Luís XIII é Barroco no uso que faz da madeira torneada, dos motivos lavrados, de certos ornato que não são realmente incorporados ao mobiliário (vasos, cabeças de leões, etc).

O Estilo do Mobiliário

Os dois móveis dessa moda são a secretária e a cômoda. A cômoda sempre foi mo móvel familiar, por excelência. Ela tomou o lugar do baú, da arca, do cofre. Nessa época, os quartos começam a tomar um destino preciso: quarto de dormir, gabinete de leitura, etc.

A Madeira

Imagem 3. Armário Boulle, com marqueterie e ébano.
Aparece o ébano como a matéria-prima usada, revestida de incrustações ou de marqueterie. Daí nasceu o termo francês ébeniste, usado na época para designar aqueles que trabalhavam o ébano. Usou-se o ébano nos Estilos Luís XIII e Luís XIV.

Ornatos Típicos

  • A cabeça de leão, tendo em seu pescoço um anel (ornato é de origem holandesa).
  • As folhas de oliva alongadas e estilizadas.
  • Os lavrados estilizados.
  • As espagnolettes (bustos de moças sorridentes, ornamentando os pés dos móveis) - Estilo Regência.
  • Os dragões (tipicamente Regência).
  • Motivos florais e entalhes em madeira clara (marqueterie) - nos Países Baixos e na Inglaterra.

Fonte: Apostila de História do Design e do Mobiliário

Imagens: anossaescoladesignspongemuseu.gulbenkian.

Escada para gatos

"Existe uma crença de que os gatos necessitam de liberdade para viver bem, sendo comum escutar de familiares, vizinhos e conhecidos que eles precisam sair para passear. Mas, infelizmente, também é muito comum escutar dessas mesmas pessoas histórias de gatos que saíram para dar sua voltinha habitual e nunca mais voltaram. Quantas vezes todos nós já escutamos essa frase: “meu gato sumiu” ou ainda “gatos são animais ingratos, nós cuidamos tão bem deles e depois eles simplesmente vão embora”. A verdade é que esses gatos não sumiram nem evaporaram misteriosamente, muito pelo contrário. Eles provavelmente morreram de uma maneira trágica. Por mais diversão que os gatos possam ter nas ruas, a verdade é que lugar de gato é dentro de casa."

"A expectativa de vida de um gato que tem acesso à rua é de apenas cinco anos, enquanto gatos que moram dentro de casa chegam a viver mais de vinte anos."

Fonte: cdgatos.

E, para você que, assim como eu, pratica a Posse Responsável com suas crionças (criança + onça) e sabe que gatos que vivem dentro de casa vivem mais e melhor, apresento uma ideia genial que vai dar um tcham na sua casa e, mais do que isso, agregar diversão ao dia-a-dia do seu bichano querido. Ó só:


Porque não, gatos não somem. E não, atropelamento e envenenamento não são coisas inevitáveis, muito menos podem ser considerados como causas naturais da morte de gatos! Por isso, um viva bem grande para todos aqueles que mantêm seus gatos dentro de casa, seguros, quentinhos e felizes.

E, para quem se interessou pelo projeto, basta se jogar no marceneiro.   

Foto montagem: Criação Criativos.


Mesa com vidro pintado


Projetinho supimpa que vi no Design SpongeBora aprender como se faz? 

Materiais

Tampo de vidro ou pexiglas¹ do tamanho da sua mesinha;
Tinta spray para vidro²;
Fita crepe, papel contact ou estêncil (dependendo do padrão que você quer criar); 
Thinner;
Borrachinhas de silicone (como essas aqui).

¹ O uso desse material é sugestão do projeto original. Fiz uma pesquisa e, de acordo com o site comofazertudo, "plexiglas ou plástico acrílico (Plexiglas é uma das marcas usadas) é um plástico que parece limpo como vidro, mas é mais durável e vem em uma variedade de tamanhos e espessuras". Quem quiser usar esse material pode ficar à vontade, mas eu não sei onde vende. :(

² A Colorgin tem um spray feito para ser aplicado em vidro, o Colorgin Linha Artística Vidro. Se não souber onde comprar, basta acessar o site da Colorgin, clicar em "onde comprar" e voilá. ;^P 

Como fazer 

1. O primeiro passo é resolver o assunto tampo. Se você vai encomendar um ao vidraceiro ou se vai travar uma cruzada atrás do plexiglas, é você quem decide. Eu recomendo a primeira opção.  


2. Agora é a hora de decidir que padrão de imagens você quer na sua futura mesinha bacanuda. Kara, a designer do projeto original, escolheu triângulos. Ela recortou muitos (muitos mesmo, tá?) triângulos no papel contact e colou sobre todo o tampo, como mostra a foto abaixo. 


3. Depois disso, remova alguns triângulos para aplicar a primeira camada de tinta. A dica é: use fita crepe nas áreas onde o triângulos não se alinham perfeitamente e, ainda, use um protetor feito com papelão (foto abaixo) para evitar que o excesso de tinta vá parar onde ele não foi chamado. ;^P


4. Espere que a primeira camada de tinta seque e aplique mais uma camada, caso ache necessário. Depois de tudo bem seco, tire uma nova rodada de triângulos de contact e começe a pulverizar a segunda cor. Na parte de trás do tampo, em alguns pontos, a tinta vai se sobrepor a tinta que foi aplicada anteriormente, mas não se preocupe: na parte da frente os triângulos ficam perfeitos.


5. Repita o passo acima para colocar mais cores, caso queira. A Kara deixou alguns triângulos sem pintar, para que o branco da mesa aparecesse. Por fim, lembre-se de esperar a tinta secar muito bem antes de colocar o tampo na mesa. E, importantíssimo, use as bolinhas de silicone para criar um espaço entre o tampo e a mesa. Isso vai evitar que a pintura estrague, além de segurar o tampo no lugar e, assim, evitar acidentes. Quando terminar, se tiver feito tudo direitinho, sua mesa estará assim, ó:


Linda, né? E como a pintura está para baixo, é mamão com açúcar para limpar.

P.S.: gente, notaram que eu sumi, né? Mas ó, como tudo que eu faço tem uma boa explicação e sempre (ou quase sempre) um bom motivo, vocês vão entender. É que eu comecei a cursar Design de Interiores e ainda estou me adequando a nova rotina (novos horários, novos afazeres, essas coisas). Agora, mais do que nunca, vou poder dar dicas para todos e falar com mais propriedade., além de amadurecer a minha paixão, o blog, enfim. E, no processo, todo mundo sai ganhando, inclusive vocês, meus amigos/leitores/queridos. :^D